4 PASSOS PARA VOCÊ CONHECER O SEU MERCADO


MERCADO, O MAPA DA MINA





 
Consumidores, fornecedores e concorrentes só existem quando pessoas ou empresas procuram produtos ou serviços e outras pessoas ou empresas oferecem esse mesmo produto ou serviços. A relação entre a oferta e a procura de produtos ou serviços é o mercado.

COMO CONHECER OS SEUS MERCADOS:


1º PASSO: Estar atento às oportunidades.      

     
Estar atento as oportunidades nada mais é você conhecer uma necessidade no ambiente onde você vive, observando o possível mercado consumidor.

2º PASSO: Conhecer os valores e as necessidades do mercado consumidor.


Você tem que estudar seu público e descobrir o que é importante para eles. Seja, no seu bairro ou na sua cidade, identificar se existe a falta de uma padaria, por exemplo, de uma farmácia, de uma assistência técnica de consertos de eletrodomésticos, ou outro tipo de coisa que se faz necessário para suprir a necessidade básica ou não dos indivíduos desta localidade.


Básica: por ser artigos de consumo direto, exemplo: Alimentos ou remédios. 

Não básica: Por ser coisas de consumo maior, exemplo: carro, computador, etc.

Vemos uma explicação melhor para isto no texto Relações Interpessoais - as Necessidades Básicas Do Ser Humano  definidas por – Maslow.

 
  

3º PASSO: Organizar-se para atender o mercado consumidor.



   Defina uma meta  para abrir o seu negócio e de um prazo cumprir sua meta.
   Em seguida pesquise o mercado fornecedor para ter sua matéria    prima. `
   Planeje o negócio criando condições para que ele exista.
   Tome uma iniciativa assuma um novo papel no mercado e abra sua empresa.



4º PASSO: Identifique o mercado concorrente.



Você identificando o mercado concorrente fica mais fácil para atender o seu público alvo, caso não tenha concorrentes é melhor para você construir seu negócio, pois você será o único no mercado para atendê-los, ou seja, quanto menos concorrentes maiores a necessidade de seu mercado e suas chances de criar seu negócio.

Fonte: Apreender a Empreender - Sebrae



















6 CARACTERÍSTICAS DO COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR?




Conhecer as principais características do comportamento empreendedor é importante para entender o quanto é necessário para o desenvolvimento de seu negócio. Porque ser empreendedor não é uma condição exclusiva de empresários ou de quem está à frente dos negócios. Tem a ver com atitudes que determinadas pessoas desenvolvem. Existem comportamentos que representam  características empreendedoras.




Confira então a seguir quais são as características do comportamento de um empreendedor de sucesso:


1.   A PERSISTÊNCIA


A persistência é uma das características do empreendedorTodo negócio tem seus momentos difíceis. Mas é preciso persistir e buscar a superação. VOCÊ É PERSISTENTE? As vezes fico a me perguntar sobre mim mesma, por exemplo, este blog venho escrevendo sobre o trabalho em casa, desde a minha primeira postagem, durante este tempo já passei por muitas situações e dificuldades, onde estive a ponto de desistir, mas a cada dia a cada ideia a cada situação continuo. Paro, penso, olho escuto e retorno. A nossa luta tem que ser constante nunca desistir. É claro que pode parecer fácil escrevendo, mas na prática não. Mas a adversidade vem para nos fazer crescer e continuar subindo e descer nunca mais. Porém se você tem um perfil empreendedor e não gosta de ser monitorado, quer trabalhar para você mesmo. Foque em uma ideia e persista. Siga os passos correto que temos ensinado aqui e também busque em livros e no Sebrae, cursos, palestras, informações e nunca desista no primeiro obstaculo que você tiver. Pode ser que o próximo milionário seja você, sabendo que não existe milagre e sim trabalho.Se é para trabalhar em casa em uma empresa foque em uma carreira e estude muito, mas agora se é para criar um negócio próprio foque em uma ideia e também estude muito. Sendo assim entenda mais sobre ter a característica de persistência, onde, persistência é o caminho para sucesso de uma empresa, é um dos comportamentos dos empreendedores de sucesso que não desistem nunca por nada, mesmo que as coisas estejam dando errado, lute, foque no seu objetivo e busque oportunidades e aprenda com seus erros, mas nunca desista.





2.   ESTABELECIMENTO DE METAS

Para o empreendedor toda meta deve ser desafiante. Estabelecer uma meta é muito importante, pois especificar as condições, o tempo e aonde se quer chegar é um dos primeiros passos para o sucesso.Para atingir sua meta é interessante criar estratégias. "Para seu objetivo se transformar em uma meta você precisa saber aonde quer chegar e definir como e quando chegar." As metas e objetivos representam seu destino, onde você quer chegar ou estar daqui a um, dois ou cinco anos. Sem eles ficamos a deriva, levados pelo vento e pelas circunstâncias. Para ser vencedor é preciso, primeiro, estabelecer os objetivos. Quando você sabe o que precisa ser feito, não perde tempo com ações que não o conduziram ao destino.Para estabelecer seus objetivos, confira algumas regras:

1.   Escreva o objetivo de forma específica e em algo positivo;
2.   Determine um tempo para alcançá-los;
3.   Identifique os recursos. 

                                                                         
Definir metas é algo comum na vida de qualquer pessoa.

    Algumas vezes fazemos conscientemente e outras sem pensar, mas sempre as temos. Agora, a grande questão está em atingi-las. Isso, definitivamente, é algo bem mais complexo. Metas, de maneira geral, são importantes porque dão um norte para nossa vida e nos inspiram. Entretanto, pode acontecer de alguém mudar seu objetivo de vida no decorrer de sua caminhada ou até mesmo se dar conta que não tem uma meta bem definida. Isso não é problema, pois é normal que elas sofram adaptações. Lembre-se: grandes sonhos são alcançados por meio de pequenas conquistas. Toda empresa de maneira geral tem objetivos, em geral formalmente indicados pelas previsões de vendas e de lucros, metas de produção, orçamentos e pesquisas, etc. Entretanto, existem casos em que certos objetivos em suma importância estão implícitos na orientação das atividades da firma, como, por exemplo, quando o proprietário limita suas possibilidades de crescimento, porque não quer abrir mão do controle direto dos negócios. Os objetivos não precisam inicialmente traduzir as grandes aspirações fundamentais da empresa, porém todos os incluídos na hierarquia devem ser compatíveis com elas. Por fim as atividades bem sucedida de uma empresa requer planejamento da administração não somente para o presente, como também para o futuro.

3.   COMPROMETIMENTO:


Estar comprometido com a empresa significa ter  envolvimento pessoal para que ela mantenha sua qualidade e seus compromissos e continue sempre crescendo. Para isso é importante conhecer e cuidar também da área financeira; ela é uma peça-chave do seu sucesso empresarial. É importante estar presente e ter cuidado com a qualidade da produção e com o cumprimento de prazos. Às vezes, um esforço extra é necessário para garantir a satisfação do cliente. Essa é uma característica tão relevante no contexto corporativo pelo fato de contribuir para evitar a frustração de não ser o melhor quanto possível na área em que se escolheu atuar. O empreendedor que deseja ser bem-sucedido deve estar comprometido para se tornar. Para ter comprometimento é necessário traçar suas metas e saber exatamente aonde se quer chegar. Tendo uma ideia concreta do que se deseja para o futuro do seu negócio é bem mais simples traçar o caminho com as etapas necessárias para realizar o que foi previsto. Ao iniciar um novo negócio é necessário que o empreendedor esteja comprometido de corpo e alma com seu empreendimento. Em um primeiro momento, é ele que vai fazer a maioria das funções mais importantes de sua empresa neste caso deve dedicar todo seu tempo a ela.

4.   RISCOS

Mostrar uma empresa ou investir para melhorá-la implica em riscos. Ser ousada é muito importante, no entanto é fundamental calcular estes riscos para saber aonde, como e quando você deve arriscar para fazer sua empresa crescer. Aprender a correr riscos significa avaliar as alternativas, reduzir os riscos e controlar os resultados. Se, por exemplo, você deseja investir em sua empresa para aumentar a produção e vendas, é importante realizar uma pesquisa para saber se existe mercado para absorver esta demanda. Toda empresa tem objetivos, em geral formalmente indicados pelas previsões de vendas e de lucros, metas de produção, orçamentos de pesquisas, etc. Entretanto existem casos em que certos objetivos de suma importância estão implícitos na orientação de atividades da firma. É sempre estimulante e proveitoso reexaminar com atenção os planos referente a futuras realizações na empresa. Um dos meios que podem ser adotados é realizar as seguintes perguntas:

1.   Qual o meu verdadeiro ramo de negócio?
2.   Quem adquire meus produtos?
3.   Que retorno estou obtendo com meus ativos?
4.   Que problemas atuais da minha empresa são de tal modo vitais que a falta de solução para eles pode pôr em perigo meu futuro?
5.   Quais são as grandes oportunidades de negócio que devo explorar com maior vigor? Já tenho plano com este objetivo?
6.   Como será a minha empresa em tamanho, tipos de mercados, produtos e instalações, etc. daqui a cinco anos?    

Após ter uma resposta adequada você terá a ideia do grau de risco e modo de pensar para continuar. Muitas empresas usam deste exercício simples. Em países como na Europa isso acontece principalmente com empresas de grande porte, quando fazem grandes investimentos. Existem algumas que vão adiando este estudo dos planos para o futuro e acabam ficando com problemas que exigem atenção imediata. Para isto é necessário uma estratégia geral a ser seguida pela empresa tendo assim resumidamente um plano estratégico que pode ser elaborado assim:

1.   Verificação dos pontos fortes e fracos;
2.   Analise das condições do mercado e da conjuntura econômica;
3.   Estudo das suas expectativas como empreendedor;
4.   Especificação dos objetivos da empresa;  
5.   Avaliação dos métodos de ação alternativos que podem ser seguidos para alcançar tais objetivos.

Tendo os planos estabelecidos passa-se a executar e analisar periodicamente para ver se é necessário alterações.
É bom ter conhecimento financeiro para evitar perdas apesar que o melhor é se possível contratar alguém de confiança para cuidar das finanças, pois se também focar só na produção ou serviço e vendas e esquecer das finanças a empresa pode em pouco tempo quebrar. Além disto também é bom ter um planejamento eficaz a curto, médio e longo prazo. Por fim o financeiro, não quer dizer que pode ser melhor que todas as atividades, mas se estiver organizada e bem administrada será o apoio que ficará ao dispor e suprirá as suas necessidades para o futuro. Com base neste entendimento sabemos que os riscos têm que ser calculados, pois quanto maior o risco que você tem menor a possibilidade de sucesso. Para isto tem que traçar planos e cuidar do financeiro.

5.   BUSCA DE INFORMAÇÕES

Conversar com clientes, fornecedores e concorrentes é essencial para posicionar melhor sua empresa no mercado. Um empreendedor está constantemente querendo saber mais e mais. Saber procurar e selecionar informações ajuda a melhorar o seu negócio. Você pode obter informações de diversas fontes. Procure saber as opiniões dos consumidores sobre o seu produto, fique atento às suas sugestões e observações; pesquise maneiras de melhorar seu produto ou serviço; identifique vantagens e desvantagens de sua empresa em relação à concorrência; leia jornais, revistas, navegue na internet, há sempre cursos e palestras e novas informações no mercado. Visite o concorrente, experimente o modelo dele e, quando a sua pesquisa pessoal não for suficiente, procure ajuda especializada de um técnico. É necessário fazer pesquisa, onde as ideias de produto podem ser colhidas em qualquer parte. A seguinte lista pode não ser completa, porém, pelo menos, sugerirá grande série de possibilidades.


1.   Vendedores: Eles podem trazer algo de novo, produtos ou processos. É necessário em primeiro lugar a certeza de que os vendedores têm consciência desta necessidade de obter novos produtos e aperfeiçoamento.
2.   Serviço de manutenção: Este pessoal em algumas empresas estão mais familiarizados em geral com as limitações de seus produtos atuais, pois já trabalham com eles. Por esta razão eles constituem um manancial de ideias para aperfeiçoamento do produto.
3.   Outros funcionários: É importante criar uma caixa de sugestões na empresa, pois outros funcionários também podem contribuir com ideias que deem excelentes resultados.
4.   Clientes: Geralmente os mesmos transmitirão ideias aos vendedores, pois frequentemente eles podem ter ideias valiosas.
5.   Público em geral: As pessoas raramente têm acanhamento em evitar idéias sobre produtos. Muitas empresas examinam de 200 a 1000 sugestões de ideias por ano, e grande parte delas são apresentadas pelo público em geral.
6.   Agências de publicidades: E um pessoal muito rico em criatividade. Aproveite para e mostre que estas interessados em novas criações.
7.   Pessoal de pesquisa: Um grupo de pesquisas externas pode avaliar e criar novas ideias, onde durante uma avaliação podem surgir novas ideias e aplicações para o produto que tenham valor. Novos produtos lucrativos exigem planejamento com profundos conhecimentos necessários e capacidade na aplicação desses conhecimentos aos novos produtos em vista. A estrategia do planejamento de produção exige pensamento dinâmico e criador. O planejamento de um produto torna-se a parte efetiva de uma empresa.

6.   PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS

Um empreendedor está sempre em contato com muitas pessoas: clientes, fornecedores, concorrentes, técnicos, especialistas de diversas áreas etc. Muitas vezes são pessoas que não estão diretamente ligadas ao seu negócio mas que a, qualquer momento, podem ser úteis. Busque manter contato com as pessoas que podem se tornar fonte de informações e/ou soluções para você. Todo empreendedor precisa mais do que uma rede de contatos: precisa saber convencer pessoas a fazerem o que ele deseja. Convencer o cliente a comprar mais ou o fornecedor a entregar mais rápido, por exemplo. Mas, para convencer alguém, é preciso ter bons argumentos, é preciso que estejam de acordo com os interesses da pessoa que está sendo convencida. Tão importante como o conhecimento do ofício é saber que a verdadeira recompensa vem mediante uso hábil desse conhecimento no ponto de venda. O empreendedor obtém sucesso não por causa do que sabe, mas em virtude da habilidade com que utiliza o que sabe. O empreendedor consegue exito através do sucesso de seu mercado comprador. O empreendedor tem que ser um solucionador de problemas. É antes de mais nada um analista, verifica condições de necessidade de um mercado (seu nicho), localiza as causas originadoras de determinados problemas e quais as soluções e planeja as condições de convencer as pessoas envolvidas no sentido que seus produtos ou serviços podem auxiliar na consecução dos objetivos deles, como por exemplo, custos mais baixos, melhor produto ou serviço, ou qualquer que seja a sua meta. Ele tem que incutir as suas propostas no espirito de cada uma das pessoas envolvidas a fim de que possa influenciar-lhes no negócio.  Todos nós conhecemos pessoas que sabem como levar a cabo um determinado trabalho, isto é, parecem que possuem a habilidade necessária para isso. Mas, por uma razão qualquer elas não fazem uso do que sabe. Falta-lhes o impulso que pode-se chamar de motivação que expresse a disposição de uma pessoa de fazer o máximo, e de empregar com bastante sucesso os conhecimentos e as aptidões que adquiriu nas suas atividades cotidianas de vendas. Todos nós conhecemos homens que tiveram sucesso na vida quando ninguém acreditava neles. Mas conhece alguém que teve sucesso sem primeiro acreditar em si mesmo? É uma atitude de alto confiança, para que poça ter exceto e a maior eficiência em vendas que a sua capacidade permite. Nós fazemos muitas coisas em virtude de nossos desejos básicos por outro lado nos gostamos e desejamos ter o reconhecimento das nossas aptidões daqueles para quem trabalhamos, dos nossos amigos, nossa família, do mundo em geral. Nós gostamos de sentir que estamos crescendo, e que tais desejos nos levam a melhorar para ter oportunidades de sucesso o empreendedor gosta de se manter ativo isto é uma inclinação natural é como o homem que em fins de semana se dedica à esportes ou atividades do tipo "faça você mesmo", o empreendedor se dedica a essas atividades por que gosta delas. Se um pouco ou grande parte desta mesma energia puder ser aplicada no aumento da quota na comunicação com pessoas. Isto quer dizer que além do conhecimento com o que você faz, é necessário ter a habilidade de persuadir e se comunicar com pessoas para divulgar seu produto ou serviço, seja pessoalmente ou através de meios de comunicação sendo redes sociais, site, telefone, etc.



















                    




QUAL A FINALIDADE DA GLOBALIZAÇÃO PARA OS PEQUENOS EMPREENDEDORES?



GLOBALIZAR É UM INSTINTO HUMANO – PARA OS PEQUENOS EMPREENDEDORES NO QUE ELA PODE AJUDAR?

 



Hoje se fala muito em globalização, mas se perguntarmos a um executivo o que é mesmo globalização? – Ele não sabe.





GLOBALIZAÇÃO


Globalização é quase um instinto humano


Os homens sempre procuraram globalizar seus conhecimentos. Primeiro, por meio de descoberta, da exploração e da cartografia de todo o planeta. Depois, com as grandes viagens. Com as armas e mercadorias, tentaram-se conquistar as regiões recém descobertas do mundo. Depois as conquistas se deram por meio dos capitais e das ideias. A igreja a fez com os missionários, A CNN a fez com sua rede de TV. A Arpanet fez com a rede de internet. Hoje temos tudo isto junto. Há formas de globalização anteriores e temos de acrescentar que, pela primeira vez, há um “pais” hegemônico, que tem seu exército em todo o planeta.




Com isso tudo, a globalização política passou a ser econômica e agora esta se tornando psicológica. Temos dados desconcertantes que milhões de pessoas consomem por hora coca-cola, hamburguês da McDonald’s. Somos globalizados em tudo. Não só a economia foi globalizada. Vemos em qualquer lugar os mesmos filmes e ouvimos em qualquer lugar as mesmas músicas.  

Em 1969, nos Estados Unidos a internet foi criada com o nome de Arpanet, tinha como função interligar laboratórios de pesquisa. Naquele ano, um professor da Universidade da Califórnia passou para um amigo em Stanford o primeiro e-mail da história. Essa rede pertencia ao Departamento de Defesa norte-americano.

A partir de 1982, o uso da Arpanet tornou-se maior no âmbito acadêmico. Inicialmente, o uso era restrito aos EUA, mas se expandiu para outros países, como Holanda, Dinamarca e Suécia. Desde então, começou a ser utilizado o nome internet.Em 1987, pela primeira vez foi liberado seu uso comercial nos EUA. Em 1992, começaram a surgir diversas empresas provedoras de acesso à internet naquele país. No mesmo ano, o Laboratório Europeu de Física de Partículas (Cern) inventou a World Wide Web, que começou a ser utilizada para colocar informações ao alcance de qualquer usuário da internet.


No Brasil  iniciou-se em setembro de 1988 quando no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), localizado no Rio de Janeiro, conseguiu acesso à Bitnet, através de uma conexão de 9 600 bits por segundo estabelecida com a Universidade de Maryland. Já a  exploração comercial foi liberada em 1995. Universidades como as federais do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro estavam conectadas à rede desde 1989. A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo) conectou-se um ano depois.


É como sendo uma nova ordem mundial como parte  para ajustar o passo com o resto do mundo, o nosso País precisou mudar. Empresas de todos os tamanhos e setores tiveram que se modernizar para poder competir e voltar a crescer. O governo deu inicio a uma série de reformas reduzindo sua interferência na economia. Com o controle da inflação e o ajuste econômico, em poucos anos o País ganhou estabilidade, planejamento e respeito.

A economia começou a crescer. Só no ano 2000, surgiram quase um milhão de novos postos de trabalho. Investidores de outros países voltaram a aplicar seu dinheiro no Brasil e as exportações aumentaram ano a ano, as micro e pequenas empresas ganharam mais espaço e importância na economia. Hoje, de casa 100 empresas brasileiras, 98 são micro ou pequenas empresas. Juntas elas empregam quase 40 milhões de trabalhadores, mas da metade de toada a mão-de-obra do País. Os números são grandes, mas o espaço para crescimento é ainda maior. O futuro é promissor e cabe, a cada um de nós, fazer dele uma realidade. 


É hora de se preparar!



Quem decide criar uma empresa, especialmente neste início do século XXI, tem importância vital para a nossa sociedade, pois são grandes os desafios, como o aumento da produção de alimentos, a construção de habitações, a fabricação de medicamentos, entre outras prioridades. Superá-los requer a ação decisiva de empreendedores dispostos a capitanear empresas industriais, comerciais e de serviços.

Deste modo, o empreendedor está agindo dentro de um contexto internacional muito diferente daquele vivido pelos empresários pioneiros das primeiras décadas do século passado. As mudanças no ambiente internacional estimulam cada vez mais a integração econômica entre países. A formação dos blocos econômicos, por exemplo, ampliamos fronteiras do comércio e criam zonas multi-países de livre mercado.

Há também o MERCOSUL, o NAFTA, além da União Européia, que possibilitam o trânsito facilitado de pessoas e produtos, ou seja, uma oportunidade de expansão. Poder competir em um mercado supranacional leva os empreendedores a disputarem um contingente de consumidores sem os entraves alfandegários convencionais.

Ao mesmo tempo em que criam oportunidades, os mega-mercados fazem com que a concorrência interna de cada país seja acirrada. Há, então, uma tendência mundial para a abertura do comércio, mesmo interblocos; a busca do livre mercado entre os povos vem, também, consolidando-se no cenário mundial. Neste contexto de economia globalizada, o desafio dos empreendedores já atuantes e de pessoas que estão pensando em iniciar seu empreendimento agora, será desenvolver a capacidade de criar uma empresa  verdadeiramente competitiva.

Os produtos ou serviços que a empresa vai oferecer à clientela terão de ser produzidos dentro de padrões de qualidade do mercado mundial. Os preços dos produtos a serem cobrados a clientes e os serviços prestados terão de ser iguais ou melhores que aqueles oferecidos por empresas similares, atuantes em outros países.

A sociedade e a economia mudam com o passar do tempo, mormente em tempos de globalização onde as barreiras fronteiriças já não impõem obstáculos para as empresas e organizações, gerando a necessidade de novos estudos para detectar esse dinamismo presente nas relações de trabalho que conformam as relações entre as pessoas no âmbito socioeconômico e cultural.

Com tudo isto entendemos que a globalização somente faz é somar com todo este conjunto citado acima para que o empreendedor mesmo sendo micro possa se conectar com o mundo para o desenvolvimento de bens e serviços onde você pode gerar aqui no Brasil e encaminhar ou vender para qualquer pais se for serviço prestado pode ser pela internet, se for mercadorias podendo ser enviado por qualquer empresa de transporte especializada.

Enfim a globalização é fazer com que o mundo se conecte entre si e quem tem acima de tudo ajudado assim é a internet. Neste meio hoje você pode trabalhar na sua casa para prestando serviço para uma empresa em outro continente sendo um funcionário ou então um empreendedor.