QUAL A FINALIDADE DA GLOBALIZAÇÃO PARA OS PEQUENOS EMPREENDEDORES?



GLOBALIZAR É UM INSTINTO HUMANO – PARA OS PEQUENOS EMPREENDEDORES NO QUE ELA PODE AJUDAR?

 



Hoje se fala muito em globalização, mas se perguntarmos a um executivo o que é mesmo globalização? – Ele não sabe.





GLOBALIZAÇÃO


Globalização é quase um instinto humano


Os homens sempre procuraram globalizar seus conhecimentos. Primeiro, por meio de descoberta, da exploração e da cartografia de todo o planeta. Depois, com as grandes viagens. Com as armas e mercadorias, tentaram-se conquistar as regiões recém descobertas do mundo. Depois as conquistas se deram por meio dos capitais e das ideias. A igreja a fez com os missionários, A CNN a fez com sua rede de TV. A Arpanet fez com a rede de internet. Hoje temos tudo isto junto. Há formas de globalização anteriores e temos de acrescentar que, pela primeira vez, há um “pais” hegemônico, que tem seu exército em todo o planeta.




Com isso tudo, a globalização política passou a ser econômica e agora esta se tornando psicológica. Temos dados desconcertantes que milhões de pessoas consomem por hora coca-cola, hamburguês da McDonald’s. Somos globalizados em tudo. Não só a economia foi globalizada. Vemos em qualquer lugar os mesmos filmes e ouvimos em qualquer lugar as mesmas músicas.  

Em 1969, nos Estados Unidos a internet foi criada com o nome de Arpanet, tinha como função interligar laboratórios de pesquisa. Naquele ano, um professor da Universidade da Califórnia passou para um amigo em Stanford o primeiro e-mail da história. Essa rede pertencia ao Departamento de Defesa norte-americano.

A partir de 1982, o uso da Arpanet tornou-se maior no âmbito acadêmico. Inicialmente, o uso era restrito aos EUA, mas se expandiu para outros países, como Holanda, Dinamarca e Suécia. Desde então, começou a ser utilizado o nome internet.Em 1987, pela primeira vez foi liberado seu uso comercial nos EUA. Em 1992, começaram a surgir diversas empresas provedoras de acesso à internet naquele país. No mesmo ano, o Laboratório Europeu de Física de Partículas (Cern) inventou a World Wide Web, que começou a ser utilizada para colocar informações ao alcance de qualquer usuário da internet.


No Brasil  iniciou-se em setembro de 1988 quando no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), localizado no Rio de Janeiro, conseguiu acesso à Bitnet, através de uma conexão de 9 600 bits por segundo estabelecida com a Universidade de Maryland. Já a  exploração comercial foi liberada em 1995. Universidades como as federais do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro estavam conectadas à rede desde 1989. A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo) conectou-se um ano depois.


É como sendo uma nova ordem mundial como parte  para ajustar o passo com o resto do mundo, o nosso País precisou mudar. Empresas de todos os tamanhos e setores tiveram que se modernizar para poder competir e voltar a crescer. O governo deu inicio a uma série de reformas reduzindo sua interferência na economia. Com o controle da inflação e o ajuste econômico, em poucos anos o País ganhou estabilidade, planejamento e respeito.

A economia começou a crescer. Só no ano 2000, surgiram quase um milhão de novos postos de trabalho. Investidores de outros países voltaram a aplicar seu dinheiro no Brasil e as exportações aumentaram ano a ano, as micro e pequenas empresas ganharam mais espaço e importância na economia. Hoje, de casa 100 empresas brasileiras, 98 são micro ou pequenas empresas. Juntas elas empregam quase 40 milhões de trabalhadores, mas da metade de toada a mão-de-obra do País. Os números são grandes, mas o espaço para crescimento é ainda maior. O futuro é promissor e cabe, a cada um de nós, fazer dele uma realidade. 


É hora de se preparar!



Quem decide criar uma empresa, especialmente neste início do século XXI, tem importância vital para a nossa sociedade, pois são grandes os desafios, como o aumento da produção de alimentos, a construção de habitações, a fabricação de medicamentos, entre outras prioridades. Superá-los requer a ação decisiva de empreendedores dispostos a capitanear empresas industriais, comerciais e de serviços.

Deste modo, o empreendedor está agindo dentro de um contexto internacional muito diferente daquele vivido pelos empresários pioneiros das primeiras décadas do século passado. As mudanças no ambiente internacional estimulam cada vez mais a integração econômica entre países. A formação dos blocos econômicos, por exemplo, ampliamos fronteiras do comércio e criam zonas multi-países de livre mercado.

Há também o MERCOSUL, o NAFTA, além da União Européia, que possibilitam o trânsito facilitado de pessoas e produtos, ou seja, uma oportunidade de expansão. Poder competir em um mercado supranacional leva os empreendedores a disputarem um contingente de consumidores sem os entraves alfandegários convencionais.

Ao mesmo tempo em que criam oportunidades, os mega-mercados fazem com que a concorrência interna de cada país seja acirrada. Há, então, uma tendência mundial para a abertura do comércio, mesmo interblocos; a busca do livre mercado entre os povos vem, também, consolidando-se no cenário mundial. Neste contexto de economia globalizada, o desafio dos empreendedores já atuantes e de pessoas que estão pensando em iniciar seu empreendimento agora, será desenvolver a capacidade de criar uma empresa  verdadeiramente competitiva.

Os produtos ou serviços que a empresa vai oferecer à clientela terão de ser produzidos dentro de padrões de qualidade do mercado mundial. Os preços dos produtos a serem cobrados a clientes e os serviços prestados terão de ser iguais ou melhores que aqueles oferecidos por empresas similares, atuantes em outros países.

A sociedade e a economia mudam com o passar do tempo, mormente em tempos de globalização onde as barreiras fronteiriças já não impõem obstáculos para as empresas e organizações, gerando a necessidade de novos estudos para detectar esse dinamismo presente nas relações de trabalho que conformam as relações entre as pessoas no âmbito socioeconômico e cultural.

Com tudo isto entendemos que a globalização somente faz é somar com todo este conjunto citado acima para que o empreendedor mesmo sendo micro possa se conectar com o mundo para o desenvolvimento de bens e serviços onde você pode gerar aqui no Brasil e encaminhar ou vender para qualquer pais se for serviço prestado pode ser pela internet, se for mercadorias podendo ser enviado por qualquer empresa de transporte especializada.

Enfim a globalização é fazer com que o mundo se conecte entre si e quem tem acima de tudo ajudado assim é a internet. Neste meio hoje você pode trabalhar na sua casa para prestando serviço para uma empresa em outro continente sendo um funcionário ou então um empreendedor.




Nenhum comentário:

Postar um comentário